Biomonitoramento do Solo e da Água na Avaliação de Parâmetros Ambientais da Sub-Bacia Hidrográfica do Baixo Apiaí-Guaçu

Autor: Wedner Rogério Couto
Ano de Publicação: 2008
Curso: Gestão, Desenvolvimento e Formação
Tipo de Produção: Dissertação
Linha de Pesquisa: Tecnologias Ambientais

Resumo

A Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos 14 (UGRHI 14), correspondente à Bacia Hidrográfica do Alto Paranapanema, está localizada na região sudoeste do Estado de São Paulo. Dentro da sua área de drenagem encontramos a sub-bacia hidrográfica do baixo Apiaí-Guaçu. O rio Apiaí-Guaçu é um dos afluentes da margem esquerda do rio Paranapanema que é o principal corpo hídrico da bacia de drenagem.

O objetivo deste trabalho foi determinar parâmetros de qualidade ambiental do solo e da água através do uso de bioindicadores. Foram selecionados para o estudo sete pontos ao longo do trecho do rio Apiaí-Guaçu entre os Municípios de Taquarivaí e Buri. Para o ambiente solo, em cada um dos pontos coletaram-se amostras de serapilheira e solo tanto na área de mata ciliar como na área de agricultura de forma independente. Este material foi levado ao laboratório para a análise da fauna edáfica e variáveis de umidade e pH.

No ambiente água foram instalados amostradores com substrato artificial para captura de macroinvertebrados bentônicos, bem como foram coletadas amostras da água utilizada nos experimentos de toxidade aguda em sementes de alface e bulbos de cebola, e para determinação da turbidez, pH e temperatura. Na fauna edáfica foram analisadas a abundância de 13 grupos de invertebrados onde se pode verificar a presença constante do grupo acari (ácaros) e himenópteros (formigas) em todos os tratamentos, porém com maior abundância no ambiente mata exceto no ponto seis e sete para o grupo dos ácaros e no ponto seis para o grupo das formigas.

O grupo dos colêmbolos, reconhecidamente utilizados como indicadores na recuperação de áreas degradadas, foram mais abundantes no tratamento com plantio direto e pouco aparentes ou inexistentes nos tratamentos com agricultura convencional. Os pontos 2 e 5 apresentaram a maior média de capacidade de retenção de água nos tratamentos denominados feijão e pousio, respectivamente, indicando a independência desta característica ao tipo de cobertura de solo e provavelmente se relacionando ao material mineral de origem.

Os resultados das análises físico-químicas da água permitiram inferir que existe redução do volume de água ao longo dos pontos de coleta devido à utilização desse recurso natural em sistemas de irrigação por pivô central e abastecimento urbano. Resultados indicaram que o pH apresentou-se dentro da média deste parâmetro nos corpos d’águas continentais. Os resultados das análises de toxidade em alface e cebola indicaram que a concentração de possíveis substâncias tóxicas existentes na água não foram suficientes para promover mais de 50% (CE50) de inibição de crescimento.

A existência de alguma substância eutrofizante, incrementou o crescimento em alguns pontos. Concluímos que o uso e a ocupação do ambiente na sub-bacia do baixo Apiaí-Guaçu não promoveu ainda grandes alterações na qualidade do solo e da água sendo possível à adoção de metodologias de monitoramento que promovam a integração entre análises físico-químicas e biológicas e possam ser aplicadas pela comunidade local.


Palavra Chave

água de rio. biomonitoramento meso-fauna solo sub-bacia hidrográfica UGRHI-14